Rodas de alumínio dão vida nova ao carro

Com aros grandes e pinturas especiais, personalização tende a ficar menos chamativa e mais harmoniosa.


Henry Rovera usa roda Noova aro 18 preta com hastes diamantadas


Para quem não aderiu ao "tuning" extremo, as rodas de alumínio com desenhos arrojados e materias reluzentes dão um tom de ousadia. Medidas grandes (entre 17 e 22 polegadas de diâmetro, contra 14 polegadas das normais) compõem o visual, mas sem exageros.

"A tendência são veículos limpos, menos chamativos, como os "dub" [rodas enormes e suspensão rebaixada]", aponta Eduardo Bernasconi, organizador do X-Treme Motorsports, feira de acessórios realizada em São Paulo, em novembro.

E, se tamanho é documento para um "dub", a CNC Tuning traz ao Brasil as rodas Drops Stars, vendidas em aros de 28 e de 30 polegadas -compatíveis apenas com utilitários esportivos e com picapes grandes.

O designer americano Chip Foose empresta seu nome e seu traço para uma linha de rodas. O modelo Impression, importado pela CNC, é uma das novidades para os carros grandes. Acinzentada, a roda está disponível com cinco ou seis furos e em tamanhos que variam de 20 a 24 polegadas.

"Ecológicas"
Na onda de rodas brilhantes, a Kromma e a Vaska começam a vender, em janeiro, produtos metalizados. "Além de ser menos poluente, já que não usa o cromo, o processo de metalização custa a metade do de cromagem", diz Alexandre de Oliveira Coelho, responsável pela logística das marcas. A linha Style é vendida em aro 17 por cerca de R$ 600 cada uma. Já a de 20 polegadas custa R$ 1.000.

As rodas que combinam preto com cromado ou diamantado são as mais cobiçadas para os carros de passeio, segundo fornecedores. A linha Drift, da TSW, apresenta três tipos de acabamento. Em aro 17, sai por R$ 2.800 o jogo.

Outra opção é a roda da Vaska, com fundo preto e hastes diamantadas. Com aro de 14 polegadas, custa R$ 262,40.

Satisfação pessoal
O estudante Henry Rovera, 25, aderiu à tendência. Seu GM Corsa tem rodas da marca Noova em aros de 18 polegadas, instaladas quando o carro ainda tinha 100 km rodados. "No dia-a-dia, o Corsa, por ter pneus baixos, sofre nos buracos do asfalto, mas não deixo o carro na garagem por conta disso. É uma questão de satisfação pessoal", conta Rovera.

Cuidados
Marcelo Massarani, professor de mestrado em engenharia automotiva da Escola Politécnica da USP (Universidade de São Paulo), orienta que, ao substituir as rodas originais por outras maiores, sejam respeitadas as relações de diâmetro entre a roda e o pneu. "Carros com rodas muito grandes têm características de conforto afetadas. É preciso tomar cuidado em estradas irregulares", diz Massarani. Ele também recomenda atenção à procedência e à qualidade na hora da compra. "Por se tratar de um item de segurança, é importante comprá-lo em lojas de confiança."

(DEISE DE OLIVEIRA)
Fonte: Folha de São Paulo – 10 de Dezembro de 2006.